sexta-feira, 15 de junho de 2012

Essência das teorias sobre as instituições escolares


Base da teoria Crítico Reprodutivista
A escola despreza e inferioriza a cultura do grupo mais pobre por outro mais poderoso econômica ou politicamente, isso  faz com que esse perca sua identidade e suas referências, tornando-se fraco, inseguro e mais sujeito à dominação.
Os Críticos Reprodutivistas afirmam que a escola está organizada para servir apenas a alguns grupos da sociedade, aqueles que já trazem de casa uma bagagem cultural semelhante a da escola.

Base da teoria Funcionalista
A escola, assim como as demais instituições sociais, tem a função de imprimir sobre as novas gerações valores morais e disciplinares que visam à perpetuação da sociedade tal como ela está organizada quanto à ordem e no respeito aos poderes dominantes.
 A sociedade é assim entendida como um corpo harmônico, com valores e à qual só nos resta a adaptação. Assim, a escola não é alvo de críticas, pois funciona adequadamente à sociedade na qual está inserida. Para ele, todos os indivíduos e instituições têm uma função a cumprir, que uma vez, bem desempenhada contribuirá para o progresso e à harmonia social.

Base da teoria Progressista ou Pedagogia da Libertação
A escola tem a tarefa de ao mesmo tempo conscientizar criticamente o educando de sua posição social e mobilizá-lo internamente para a luta pela transformação da sociedade. Portanto, a educação assim entendida, reveste-se de um caráter essencialmente político. Ou seja, além do estudo, do conhecimento, da aquisição de habilidades, a escola tem papel fundamental na construção de sujeitos autônomos, críticos, em condições para lutar pela superação das desigualdade e pela transformação da sociedade.

Um comentário: