quarta-feira, 11 de abril de 2012

APOSTILA - PESQUISA SOCIOLÓGICA


Apostila de Introdução à Pesquisa Sociológica
Organização: Prof. Rogério Póvoa
Livro Referência: Introdução à Sociologia de João Guizzo



   A PESQUISA   SOCIOLÓGICA               


          Uma pesquisa é um processo sistemático de construção do conhecimento que tem como metas principais gerar novos conhecimentos, confirmar ou confrontar algum conhecimento pré-existente. É basicamente um processo de aprendizagem tanto do indivíduo que a realiza quanto da sociedade na qual esta se desenvolve. A pesquisa como atividade regular também pode ser definida como o conjunto de atividades orientadas e planejados pela busca de um conhecimento. Ao profissional da pesquisa (especialmente no campo acadêmico), dá-se o nome de pesquisador. 
                         O pesquisador de silêncios                                  
Carlos Teixeira Luiz
Agora reparo,
Sou um pesquisador de silêncios.
Os sussurros de vento nas folhas das árvores,
Os lados mais sossegados
Do ritmo da grande cidade,
Ouvem-se os gritos longínquos 
Das mulheres na venda,
Os navios que desatracam,
O transito feroz
E um choro ocasional de qualquer gato.
Nesta cidade há sempre um cão e alguns gatos.
Em cada rua,
Um velho que sorri
E uma mulher à janela
Também ouço fado, eu sei e outros ritmos.
Vivo destes silêncios e procuro-os.
Apenas fecho os olhos
Calo-me
E ouço…
    

"Para pesquisar a verdade é preciso duvidar, quanto seja possível, de todas as coisas, uma vez na vida." (René Descartes)


A Pesquisa Sociológica
Um pesquisador pode chegar ao bairro em que você mora e registrar em uma planilha a idade de todos os jovens que estão namorando. Ao reunir os dados, poderá ter uma informação sobre a idade média que os alunos começam a namorar. Uma pesquisa pode ser feita sobre uma torcida de futebol: idade dos torcedores; local de moradia; meio de transporte utilizado para ir ao estádio; frequência de idas ao estádio; renda; emprego. Terminado o levantamento, o pesquisador pode fazer um relatório descritivo das características dos torcedores.
Outro sociólogo pode querer estudar as famílias de uma cidade pequena: número de filhos, poder aquisitivo, tipos de emprego, bens que possuem, formas de lazer etc. E em uma escola, o que pode ser estudado? Muitos aspectos: bairro onde mora cada estudante, tipo de trabalho dos pais, meio de transporte utilizado, origem étnica, religião da família, etc. Essa pesquisa pode ser feita com alunos de uma classe, de um nível de ensino (fundamental ou médio) com todos os alunos, etc.


Como o sociólogo trabalha?

         Ele observa, registra, analisa e tira conclusões. O que é tirar conclusões? Ao registrar a idade dos namorados de um bairro, o sociólogo chega á conclusão de que a idade média dos namorados é de 17 anos.  Ao estudar a torcida, verifica que a maioria dos torcedores vai ao estádio de ônibus, isso pode levá-lo a outros questionamentos. Registrando os tipos de lazer de cada aluno da escola, pode tirar conclusões diversas.
         O sociólogo estuda fatos particulares e chega a uma conclusão geral. Ele parte do particular para chegar ao geral. Ao analisar centenas e até milhares de aspectos e traços de uma sociedade, os sociólogos conseguem produzir um retrato completo dessa sociedade. 
         Em uma escola ou em um bairro pequeno, o sociólogo pode entrevistar um por um os alunos ou jovens moradores.  Mas se quiser estudar as famílias do Brasil inteiro, como ele irá fazer? É claro que não irá de casa em casa até encontrar todas as famílias. Para isso levaria muitos anos. E, ao terminar, a situação de muitas famílias teria mudado, deformando suas conclusões. Quando quer estudar uma população inteira, o sociólogo lança mão da amostra. Ou seja, sorteia um certo número de famílias que irá entrevistar. O sorteio deve ser muito bem feito, a fim de que todos os tipos de família estejam representados: famílias de todos os estados, de todas as classes sociais, das cidades e das áreas rurais etc. A pesquisa mais ampla feita por amostra no Brasil é a PNAD - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do IBGE, feita anualmente. A de 2007 sorteou mais de 147 mil domicílios a serem visitados; e quase 400 mil pessoas foram entrevistadas.
         É chamado de universo o conjunto de pessoas ou grupo que o sociólogo deseja estudar. Exemplos de universo de pesquisa: as famílias com mais de quatro filhos do Nordeste, as famílias sem filhos da cidade se São Paulo, os alunos afrodescendentes das universidades federais. Entrevistas de grande abrangência, envolvendo milhares de pessoas ou grupos, geralmente são feitas por institutos ou agências especializadas, como vimos acima em relação ao PNAD.
         Em período de eleições, os noticiários de rádios e televisões divulgam os resultados de pesquisas de opinião sobre a preferência dos eleitores. É claro que os institutos de pesquisa não entrevistam todos os eleitores. Eles fazem a pesquisa por amostra, abordando alguns milhares deles. E ao divulgar o resultado, informam o número de eleitores entrevistados, as regiões pesquisadas e o período em que o levantamento desses dados foi realizado. Informam também a margem de erro, para mais ou para menos. A margem de erro é determinada por cálculos estatísticos, em função do número de pessoas entrevistadas.
         Nessas pesquisas, geralmente aparecem as expressões: “Resposta estimulada e única”: significa que o entrevistado aponta um nome (apenas um) em uma lista que o pesquisador lhe apresenta; “Resposta espontânea”: nessa o entrevistado aponta um nome de sua livre escolha.
        


Pesquisa quantitativa e pesquisa qualitativa

Ao elaborar um questionário de pesquisa, o sociólogo pode fazer questões abertas, ou seja, questões às quais o entrevistado dá respostas livres. Por exemplo: Qual é a sua opinião sobre o sistema de cotas? Esse tipo de pesquisa é chamada de qualitativa. Ela exige muito trabalho do pesquisador, pois ele deve anotar ou gravar as respostas e depois agrupá-las para interpretação. Mas o pesquisador também pode elaborar um questionário com questões fechadas, que exigem respostas do tipo sim/não ou que apontam uma alternativa, um número, o nome de um candidato etc. Exemplo: Você é a favor do sistema de cotas? (   ) sim  (   ) não. Essa pesquisa é chamada de quantitativa. É a mais usada, pois pode ser tabulada em computador e suas análises são mais diretas.
Muitas pesquisas são feitas diretamente pelo sociólogo, por meio de entrevistas, de observações pessoais ou da análise de documentos de bibliotecas e arquivos. Nesse caso, ele utiliza fontes primárias. Mas ele pode fazer também trabalhos de análise sociológica baseando-se em dados pesquisados por institutos, como o IBGE, o IPEA, DIEESE, universidades, bem como por outros estudiosos do assunto. Nesse caso, ele utiliza fontes secundárias.



Objetividade e Neutralidade

Seja utilizando fontes primárias ou secundárias, o trabalho do sociólogo deve basear-se sempre em dados e observações objetivas e concretas e jamais em impressões pessoais. A objetividade é um dos principais requisitos da pesquisa. Outro requisito é a neutralidade. Ou seja, o autor da pesquisa não pode manifestar sua posição pessoal nas questões. Adjetivos como “honesto”, “falso”, “cruel”, “injusto”, “forte” e outros não podem fazer parte das perguntas. Os valores e as crenças do pesquisador não podem interferir nas perguntas e muito menos das análises dos resultados. Não pode haver viés pessoal, quando isso ocorre, compromete o resultado da pesquisa e diz-se que ele ficou viesado, não correspondendo à realidade. Realizado segundo os requisitos de objetividade e neutralidade, o trabalho sociológico assume características de trabalho científico.

          Há correntes que propõem uma Sociologia interpretativa e outras que propõem uma Sociologia crítica. Os defensores da Sociologia interpretativa afirmam que o importante é entender o sentido das ações humanas. Para eles, a realidade não existe por si só, foi construída por pessoas ou grupos. Quanto à Sociologia crítica, faz parte da preocupação, sobretudo de sociólogos marxistas. Segundo eles, a realidade social poderia ser diferente e cabe aos sociólogos trabalhar para mudá-la.




Metodologia

Existem métodos de trabalho sociológico. Tanto as pesquisas quanto as análises sociológicas devem seguir metodologia rigorosa e preestabelecida, sem o que os resultados podem carecer de fundamentação e credibilidade. Vamos observar a imagem abaixo:
 



                             Áreas de trabalho do sociólogo

 A Sociologia é estudada nos cursos de Ciências Sociais. Nesses casos, além das matérias de Sociologia, propriamente ditas, estudam-se outras disciplinas como Antropologia, Política, História, Geografia, Estatística e Economia. O curso permite especialização em nível de pós-graduação, também em antropologia. Na área de Sociologia, o sociólogo tem diversas opções de especialização, como Sociologia da Educação. Sociologia da Religião, Sociologia da Juventude, Sociologia da Violência, Sociologia Rural e outras.
No mercado de trabalho, o sociólogo tem oportunidade de trabalhar, sobretudo nas seguintes áreas:
a)   Magistério: em cursos Ensino Médio e universitário. No Ensino Superior, consta do currículo de diversos cursos, como economia, administração, direito, entre outros.
b)   Pesquisa: em institutos de pesquisa de opinião, de tendência de consumo, de comportamento etc. Nessas áreas, o sociólogo trabalha na elaboração das questões, na definição da amostra e na análise e interpretação dos resultados.
c)   Órgãos e empresas do governo: tanto departamentos quanto empresas do governo federal, quanto de governos estaduais e municipais, empregam sociólogos para estudo de dados ou no levantamento de subsídios que ajudem na elaboração de projetos e na formulação de políticas públicas.
d)   Empresas privadas: na elaboração de grandes projetos, algumas empresas empregam sociólogos ao lado de economistas, administradores, engenheiros etc. Mas é uma área de trabalho bastante diversificada.
e)   Jornalismo, publicidade, relações públicas, marketing: nessas áreas, o profissional que tem diploma de um curso de Ciências Sociais ou Sociologia não vai trabalhar propriamente como sociólogo, mas vai utilizar com muito proveito os conhecimentos que o curso lhe proporcionou, aliados necessariamente sólidos conhecimentos da língua e de técnicas jornalísticas, publicitárias, de relações públicas e de marketing.
f)    Edição de livros: outra área em que os conhecimentos adquiridos em um curso de Sociologia são muito úteis e, como em outras áreas devem estar aliados a sólidos conhecimentos da língua e técnicas de edição.

Questões sobre o estudo da apostila e o trabalho de campo:
1)      Qual era o principal objetivo do trabalho de campo proposto na aula passada (aplicação e análise dos questionários relacionados ao texto “O caso da ponte”)?
2)      O texto afirma que durante uma pesquisa, um sociólogo observa, registra e tira conclusões sobre o que deseja descobrir. É possível afirmar que nosso trabalho de campo compara-se ao trabalho de um sociólogo? Explique.
3)      É possível afirmar que a pesquisa que realizamos é uma pesquisa por amostra? Explique.
4)      Sua pesquisa baseou-se em dados coletados de fontes primárias ou secundárias? Explique.
5)      Na aplicação dos seus questionários, você pesquisou um universo específico? O que é um universo de pesquisa?
6)      Qual é a diferença entre pesquisa com “resposta estimulada” e pesquisa com “resposta espontânea”? Observando seu questionário, em qual tipo de pesquisa ele melhor se encaixa? Por quê?
7)      Faça uma tabela separando as questões abertas e as questões fechadas que você elaborou em seu questionário (copie as questões no quadro).
8)      É possível afirmar que seu questionário e sua análise das respostas cumpriram os critérios de objetividade e neutralidade que as pesquisas sociológicas devem seguir? Qual é o significado de cada um desses critérios?
Qual é a diferença entre Sociologia interpretativa e Sociologia crítica? Sua pesquisa baseia-se nos princípios da Sociologia interpret

Nenhum comentário:

Postar um comentário